Viajando com a gente pela Transiberiana

Depois de alguns meses, chegou a vez de compartilhamos uma das experiências mais diferentes e incríveis que tivemos!! No total foram 20 dias dias viajando pela maior ferrovia do mundo, a Transiberiana. Embarcamos nesta viagem no final de setembro, início do outono russo. Confira com mais detalhes nossa aventura abaixo!

Nestas primeiras linhas vamos compartilhar com vocês uma visão geral da trip. E logo na sequência vamos falar mais da hospedagem, alimentação, rota, etc.

Saindo de Moscou, onde tudo começou!
Saindo de Moscou, onde tudo começou!

Começamos a planejar no começo do ano nossa viagem em geral, e a ideia era começar na Europa e chegar na Ásia… como íamos voltar da lua-de-mel no final de agosto, e na Europa o outono já estava chegando, teríamos que fazer o percurso logo no início. Queríamos algo diferente e fazer as coisas com calma. Então achamos esta alternativa que caiu muito bem! Cruzar a Russia e chegar em Pequim no meio de outubro! Visto somente para a China, então bola pra frente!

Fizemos a viagem em setembro de 2016, e nossa aventura começou em Moscou. Quando decidimos fazer a Transiberiana, encontramos pouquíssima informação disponível na internet, principalmente em português. Então estávamos ansiosos com essa parte da viagem para saber como seria o trem, o que teria lá dentro, quem seriam nossos vizinhos! Sabíamos inicialmente que dividiríamos o quarto com mais duas pessoas e que o banheiro era compartilhando por cabine (e sem chuveiro – o João viu isso primeiro e levou algumas semanas para contar para a Thay, obviamente depois de ter comprado os tickets hahaha), uma vez que optamos pela segunda classe.

Em alguma estação de trem por aí
Em alguma estação de trem por aí

A experiência foi muito enriquecedora, conhecemos pessoas de diversos lugares, culturas diferentes e curtimos bastante o tempo dentro do trem também. Você deve estar perguntando o que fazíamos dentro do trem durante tanto tempo?! Então, você conhece/conversa com o seu companheiro de quarto ou até mesmo de outro vagão, vai no restaurante também para fazer novas amizades, fica horas vendo as paisagens pela janela ou aproveita para ler um livro ou coisa do tipo. De verdade, passa rápido! Nosso maior trecho foi de 50h, e não falamos em nenhum momento “caramba, não vai chegar logo isso??”. E olha que nós dois somos bastante agitados!

Paisagem do trem
Paisagem do trem

Sobre a comida, todos os trens contam com um restaurante dentro. Lá eles vendem algumas poucas opções de comida e bebidas (incluindo cerveja), mas não espere que as comidas sejam boas (e nem baratas) rsrs. Normalmente as pessoas levam snacks, frutas e muuuuitos noodles!

Podemos dizer que nossa viagem se dividiu em duas partes: o trecho pela Rússia e o fora, que incluiu Mongólia e a China. Cada trecho significava pegar também um novo trem já que fomos fazendo algumas paradas (Ecaterimburgo, Irkutsk, Ulaanbaatar na Mongólia e Pequim na China). Enquanto na primeira os trens eram novos e limpos, com companheiros de quarto sempre russos e tranquilos e com zero inglês, a segunda foi em trens mais antigos, mais sujos (Thay sofreu haha) e com muito mais gente de outros países, fazendo viagens similares a nossa e sempre havia interação, pessoas muito legais! Foi bem bacana!

Paisagem próxima a Irkutsk, do trem
Paisagem próxima a Irkutsk, do trem

Em suma, ter feito essa viagem significa conhecer lugares (e pessoas!) lindos e ainda de certa forma pouco conhecidos, no meio de uma das maiores e mais tradicionais ferrovias do mundo! Também significa não ter muito conforto, privacidade e às vezes limpeza, comer muito noodles, dividir quarto com quem você não conhece e dividir 2 banheiros (sem chuveiro) com 36 pessoas. É ver a hora passar olhando as paisagens pela janela, é ter que se comunicar com mimica e muitas vezes continuar sem entender.

Outra vista do trem
Outra vista do trem

Mas, acima de tudo, é conhecer diferentes e novas culturas e hábitos, fazer diversas novas amizades com pessoas do mundo todo e de diversas realidades, é abrir a cabeça, conhecer novos livros, refletir sobre a vida, é rir (ou sofrer, você decide!) dos perrengues e é ter muita história pra contar!

Agora vamos contar com mais detalhes um pouquinho da nossa experiência para quem tem interesse em conhecer melhor os detalhes ou pensa em fazer esta viagem também!

NOSSA ROTA NA TRANSIBERIANA / TRANSMONGOLIANA

Há três trechos “padrão” para ir de Moscou ao leste asiático. Lembrando que você pode inclusive ir de trem de Londres a Moscou, cruzando Europa e Ásia por completo de trem!

  • Transiberiana: vai de Moscou a Vladvostok (lembram-se do War? Hahaha), que fica bem ao leste da Russia, quase divisa com a Coréia do Norte e bem próximo de China, Japão e Coreia do Sul. A rota passa pelo Lago Baikal (em Irkutsk, a aprox. 80h de Moscou) e de lá continua seguindo pelo sul da Sibéria por mais aprox. 3,5 dias.
  • Transmongoliana: segue também até Irkutsk, porém após ele desce para a Mongólia ao invés de continuar pela Rússia. Depois de cruzar o deserto de Gobi vai para a China, até chegar em Pequim. São aprox. 6 dias de viagem na sequência.
  • Transmanchuriana: esta opção é menos conhecida, chegando até Pequim igual a Transmongoliana, porém sem passar para a Mongólia. Serve mais para quem não quer tirar visto para lá. Porém, brasileiros não tem este problema pois não precisamos de visto! Então não achamos ser a melhor ideia fazer este percurso.

Abaixo um mapa (tosco, nos desculpem hahaha):

mapa-transiberiana

Optamos por fazer o segundo, pois queríamos conhecer a Mongólia e chegar na China! Fizemos 3 paradas entre Moscou e Pequim: Ecaterinburgo (Trem 060, 28h de Moscou), Irkutsk / Lago Baikal (Trem 002, +50h), Ulaanbaatar (Trem 004, +22h) e finalmente Pequim (Trem 004, +28h). Em posts seguintes vamos colocar os detalhes de cada parada.

COMO COMPRAR SEU BILHETE DA TRANSIBERIANA / TRANSMONGOLIANA

Este é um problema… meio chato por sinal, pois a companhia russa (e a mongol e a chinesa) não fornecem compra direta online! Mas vamos lá, tentemos ajudar por aqui colocando as opções disponíveis:

  • Bilheterias físicas: é o método mais barato e você já sai com o bilhete na mão! Desvantagens: só abre 60 dias antes a compra, você tem que estar lá fisicamente (ou conhecer alguém para comprar) e o inglês lá é praticamente nulo (mas até ai tudo bem). Recomendamos aqui se você não está indo durante alta temporada (para não correr risco de ficar sem lugar), se, caso estiver indo em casal/grupo e não tiver problemas de ficar separado (pegar 2 ou mais lugares no mesmo quarto é mais difícil). A economia é boa!
  • Agência da Real Russia (online): este site britânico (http://realrussia.co.uk/) é bem bacana pois na época era o único que permitia criar o itinerário online (na verdade agora este link também cria http://trains.waytorussia.net/transsib/ – quando compramos somente no Real Russia, apesar de que a plataforma, e talvez o dono dos sites, parecem ser os mesmos). Você consegue ver os dias, horários de partida e de chegada (DICA: os horários dentro no trem sempre são horário de Moscou, fique atento sempre que for comprar a qual fuso o horário está relacionado!), número dos trens (DICA: em geral quanto menor o número do trem, melhor e mais novo ele é), preço para cada classe (1ª, 2ª ou 3ª) e até mesmo se tem refeição inclusa ou não. É bem completo. A desvantagem: comprar por eles sai caro. Na hora você não sabe pois o preço é fechado. Porém quando vimos os preços reais, descobrimos que pagamos 20%-30% a mais do que o preço do bilhete pela facilidade e segurança. Não é pouco, visto que gastamos aprox. US$ 750 para cada um por todos os trechos!
  • Outras agências online: nos sites http://www.seat61.com/Trans-Siberian.htm e http://waytorussia.net/TransSiberian/ (e no Google) você encontra outras agências, mas que não fazem o roteiro online que nem a Real Russia (agora, que nem falei antes, no waytorussia.net você já pode também). Você pode achar os trechos na Real Russia, anotar os números e datas dos trens, e comprar por outras, que certamente são mais baratas! Cheque antes com eles onde e como pega o bilhete (no Real Russia eles até entregam no seu hotel se preferir, ou você vai ao escritório deles em Moscou).
  • Uma possível “mescla”: você pode até comprar os trechos russos com antecedência e em Irkutsk comprar o trecho para a Mongólia, e de lá para a China. O trem era bem cheio na Rússia, porém não depois. Avalie esta opção, pode economizar parte da sua grana e manter a segurança!

Dúvidas aqui nos perguntem!

HOSPEDAGEM NA TRANSIBERIANA / TRANSMONGOLIANA

Pegamos 2ª classe (kupe) em todos os trechos. Depois até rolou um leve arrependimento de não ter pego um trecho na 3ª classe, que apesar de ter mais gente e não ter de fato um quarto (quando digo quarto aqui é basicamente espaço das camas, uma pequena mesa embaixo para comer e lugar para as malas/mochilas, tanto embaixo como em cima), parecia ser super tranquila e legal para conhecer gente! Se puder faça isso na sua viagem. As opções são:

1ª classe: geralmente quarto com duas camas, pode ter ou não chuveiro (dá para ver antes pelo site da Real Russia e inclusive vale confirmar com eles, mesmo que você acabe não comprando no site deles). Pode aparecer 1ª classe com 4 camas, que é basicamente o mesmo que a 2ª classe, porém em um vagão mais novo, fique atento! O preço é um pouco mais que o dobro que a 2ª classe (quando for 1ª classe de fato, com quarto de 2 camas).

2ª classe: um quarto com dois beliches, sendo que em um vagão costumam ter 8-9 quartos. Embaixo tem a vantagem de você poder utilizar a mesa sem ter que pedir para os colegas de baixo, além de não ter que ficar subindo e descendo e um pouco mais de conforto, dado que dá para apoiar os pés no chão a qualquer momento). Em cima você tem um pouco mais de privacidade.

Cabine na parte russa do trajeto
Cabine na parte russa do trajeto
Corredor no vagão da 2a classe
Corredor no vagão da 2a classe
Cabine no trem 004 para Pequim
Cabine no trem 004 para Pequim

Se você está sozinho, sugiro pegar embaixo. Se está em casal, um de baixo e outro de cima, para ter dos dois. Se quiser privacidade total e não tem lugar na 1ª classe, lembre-se que você pode tentar reservar o quarto todo para você!

Não se preocupe com roupa de cama, toalha e travesseiro, vem tudo (às vezes mais limpo, às vezes mais sujo, como no caso dos trechos da Mongólia e China). Tem vários “guarda coisas” espalhados, cabides e os nossos trechos na Rússia tinha até tomada (lemos que a 2ª classe não tinha). A cama achamos até que confortável para a situação, mas deve atrapalhar se você tem mais de 1,80m. Ah, é quente dentro do trem como um todo: o João dormiu sem camiseta, ficou de chinelo e bermuda o tempo todo. Então não se preocupe em se agasalhar dentro dele.

3ª classe: apenas passamos por lá então não conseguimos falar com propriedade. Mas é um vagão sem um quarto em si, mas são várias camas em um espaço aberto. Há menos privacidade e menos banheiros/pessoa, porém conhecemos gente que foi e ficou satisfeito! O nível de interação é maior com certeza. E longe de ser inseguro (foi o que pensei antes de ir – falaremos disso logo abaixo). Entre nos sites que mencionamos (Way to Russia e Seat 61) que você encontrará informações detalhadas (somente em inglês…).

BANHEIRO: nos trechos russos foi bem honesto, até com álcool e protetor de assento. Eles limpavam com uma certa frequência, não fica dos mais cheirosos, mas para um trem de longa distância está ótimo! Sempre tinha um dos dois livres no vagão mas, caso negativo, você pode ir em outros vagões. Já nos trechos até a Mongólia e até Pequim a história era diferente… trem mais velho, sem mesmo papel higiênico. E não era limpo… ou seja, leve seu papel e lenços umedecidos!

Banheiro na perna russa
Banheiro na perna russa
Banheiro na perna russa
Banheiro na perna russa
Banheiro (tenso) do trem para a Mongolia e para Pequim
Banheiro (tenso!) do trem para a Mongolia e para Pequim

Ah, reforçando: não há chuveiro (somente para algumas 1ª’s classes). Portanto, leve lenços umedecidos para tomar aquele banho de gato! O perrengue não é tanto assim como você agora deve estar imaginando! Nenhum de nossos vizinhos, em qualquer trecho, estava fedido, por exemplo. O segredo é fazer algumas paradas para não ficar muito tempo no trem, evitando ficar muito tempo sem banho.

SEGURANÇA: este é um ponto que sempre vem a mente: vão me roubar no trem? Eu, João, já fui roubado em um trem enquanto dormia, na Itália. Nem percebi… Lá, enquanto estávamos, foi MUITO tranquilo. Todos deixavam as coisas a mostra, sem nenhuma preocupação. Nunca se sabe, claro… tem que tomar cuidado sempre. Eu mesmo muitas vezes saia com um colete que guardava minha grana e passaportes. Mas deixava note, câmera e todo o resto (eu e Thay, não ficava ninguém olhando). Se você é mais preocupado, ponha em uma mochila o que tem de valor, e leve com você quando sair ou for andar no trem. E os lugares para guardar a mala são relativamente de difícil acesso para alguém levar enquanto está lá, então dificilmente irão te furtar na cara de pau. Enfim, achamos super tranquilo e no final, nada aconteceu! E também nada ouvimos de pessoas que conhecemos.

COMENDO E BEBENDO NA TRANSIBERIANA / TRANSMONGOLIANA

Se você vai pegar um trecho todo (ex. Moscou-Pequim), prepare-se pois passará bastante tempo no trem! E entenda também que esta viagem não é gastronômica haha. Então será normal você passar 24h, 48h ou até as 140h (conhecemos gente que fez tudo seguido!) dentro do trem direto. Sempre há um vagão de restaurante, então não se preocupe que você não passará fome. Porém, a qualidade das comidas não é das melhores e os preços relativamente alto, apesar de também não serem exorbitantes.

Vagão do restaurante
Vagão do restaurante

Três pontos importantes:
1) Em cada vagão sempre há água quente; ou seja, você pode fazer além de chá e café, miojo / cup noodles, sopa ou qualquer outra comida que só precise de água.
2) A cada 3-4 horas (na verdade vai depender do trem que você pega, é possível verificar o itinerário nos sites da Real Russia e Seat 61 mencionados acima) o trem para por pelo menos 15 minutos. Nestas paradas quase sempre há lugares vendendo salgados, sanduiches, doces, noodles, bebidas (inclusive vodka e cerveja), etc. Não espere nada de muita qualidade, mas dá para o gasto! Nós, por exemplo, compramos 3 sanduíches (tem micro-ondas para esquentar no trem), queijo (aqueles quadrados que cada fatia vem em plástico), bananas e maçãs, tudo isso por 600 rublos.
3) Nos trechos russos havia uma refeição inclusa: parecia de avião, mas melhorada e deu para enganar por algumas horas.

Nossos noodles russos, chá e utensílios na mesa da cabine
Nossos noodles russos, chá e utensílios na mesa da cabine

Então, no final das contas, nossa recomendação é que você leve sua comida! Leve frutas, snacks de seu gosto (levamos por exemplo torradas, amêndoas, atum), noodles, água (nos trechos russos havia até bebedouro, você pode gentilmente pedir à provodnik – a moça que toma conta do vagão – , grátis), chá e café, etc. Ei, mas como vou comer? Então, leve se der talheres de bambu ou hashi, o que preferir, para facilitar. É uma boa levar caneca para chá ou outra bebida também. Nós levamos, mas as russas que dividiram quarto conosco pegaram para nós as canecas “locais”, emprestado da provodnik.

Já no restaurante você encontra quase de tudo! Seguem algumas referências de preço em rublos, que também podem ter mudado. Água entre 70-100 (não a Evian, claro), “sucos” de 400ml a 100-130, refrigerante a 100-150, café a 200, snacks entre 200-400, refeição entre 600 e 1.000. Sua cerveja custará de 200 a 350 (porém, fique atento que no 1º trem quando pedimos, só tinha a de 350, no 2º tinha a Baltika de 200). Vinhos também partem de 850 a garrafa, só torça pra ter esta e não somente a de 1.800!

COMUNICAÇÃO NA TRANSIBERIANA / TRANSMONGOLIANA

Em relação ao inglês, mesmas dicas de nossos posts anteriores sobre a Rússia (COLOCAR LINK). A galera não fala inglês em geral, e muito menos no interior. Tradutor off-line, mímica e vontade de conversar e um chip de celular (usamos o Megafon e funciona próximo às cidades, mas quase nada ou bem mal entre elas, no meio do nada) vão te ajudar bastante! Conseguimos nos comunicar e ter algumas conversas, mesmo com praticamente zero de inglês. Se quiser leve um baralho pois há jogos que não precisa nem falar! Cerveja costuma ajudar também hahaha o João ficou horas com dois russos do exército somente a base de tradutor off-line e cerveja!

SE VIRANDO COM DINHEIRO NA TRANSIBERIANA / TRANSMONGOLIANA

Esqueça seu cartão de crédito, aqui o que vale é dinheiro vivo, tanto no trem como nas paradas. Não lembro de ter visto nenhum caixa eletrônico / ATM nas paradas também. Portanto, vá preparado com dinheiro para não passar aperto (e talvez fome ou sede hehehe). Fique esperto que se o trem é russo, mesmo após cruzar a fronteiro o que vale é rublo. O que vale é a origem do trem. Na fronteira da China por exemplo trocou o vagão do restaurante, e a moeda mudou para Yuan. Eles até aceitam dólar, mas prepare-se para ser devorado na conversão.

No final, se você levou sua comida, não deveria gastar praticamente nada dentro do trem (somente cerveja e bebidas geladas).

Valeu e até a próxima!

Abraços,

Thay e João

Deixe uma resposta